Cloro: vilão silencioso na água que você bebe

Leave a comment

Enferruja, corrói, é oxidante ao extremo. Parece que estou falando de um veneno perigoso, mas estou falando do cloro – uma substância que nem todo mundo sabe, mas é adicionada à água que recebemos em casa pelas centrais de distribuição pública. No caso de São Paulo, onde moro, a Sabesp.

É fato que o tratamento da água é importante para eliminar o risco de disseminação de doenças. E o cloro é um dos responsáveis por matar os microorganismos nocivos, como o terrível E.Coli, que pode causar apendicite, meningite e até mesmo levar à morte – o que acontece muito em países e áreas onde não há saneamento básico.

Mas se ele é mata esses organismos, o que ele faz ao nosso corpo quando o ingerimos?

A resposta, infelizmente, não é boa. Uma das principais consequências da alta ingestão de cloro é o desequilíbrio das funções hormonais. Por ter a mesma classificação atômica do iodo, o cloro confunde a glândula tireoide que passa a não produzir seu hormônio, o TSH, da maneira ideal. O resultado é o desenvolvimento do hipotireoidismo, doença que pode reduzir a performance física e mental, além de elevar os níveis de colesterol, aumentando o risco de se ter problemas cardíacos. Alguns dos sintomas do hipotireoidismo são prisão de ventre, menstruação irregular, cansaço, dores musculares, pele ressecada, queda de cabelo, falhas de memória, ganho de peso, depressão, entre outros.

E tem mais: a baixa reserva de água aqui em São Paulo aumenta a presença de matéria orgânica na água que chega para ser tratada. O que isso tem de ruim? O cloro adicionado reage com ácidos liberados por essa matéria orgânica que vem das margens e dos leitos dos rios gerando os THMs ou Trihalometanos, considerados cancerígenos. Segundo estudos de pesquisas americanas, ao ingerir cerca de dois litros de água com THMs por 40 anos a chance de se contrair câncer de bexiga aumentam sensivelmente. Recentemente, o câncer de mama também foi relacionado ao acúmulo de compostos de cloro no tecido mamário, apontando-se que mulheres com a doença têm níveis de organoclorados (subprodutos da cloração) 50% a 60% mais altos em seu tecido mamário do que mulheres sadias.

Também nos Estados Unidos, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) classificou o cloro como pesticida, cujo único objetivo é matar os organismos vivos. Ou seja, ao consumirmos a água tratada da rede sem filtrar o cloro de maneira efetiva, ele vai matar não somente esses microorganismos mas também as células e tecidos dentro do nosso corpo.

E nessa conta não estamos nem considerando a água do banho, que também penetra através da pele (estou tentando encontrar um chuveiro que filtre a água pra depois contar aqui pra vocês, mas ainda não consegui).

Os considerados bons filtros do mercado nacional filtram no máximo 80% do cloro da água que chega às torneiras. O filtro Purion que estou testando tem o selo do InMetro que comprova a eliminação de 99,28% do cloro presente na água. A taxa de retenção de partículas também é alta: 99,6%.

A verdade é que meus índices de TSH que estavam meio malucos há algum tempo (tenho hipotireodismo controlado por medicamentos há muitos anos) começaram a se normalizar aos poucos sem que fosse necessário mudar a dosagem de hormônio que ingiro todos os dias. Acredito que mais coisas boas estejam acontecendo em meu organismo graças a essa limpeza eficaz da água que estou bebendo. Até minha médica veio me perguntar o que eu estava fazendo de diferente. Isso me deixou feliz porque significa que os resultados do meu teste são muito mais extensos e positivos do que eu poderia esperar.

As experiências por aqui continuam a todo vapor. Prometo voltar pra contar tudo pra vocês de tempos em tempos.

::::::

Leia também:

100 km em 22 dias: vamos juntos com a mamaefitness?

Leave a comment

Vocês já sabem que eu ando dando um gás na alimentação, com a história do teste do filtro, mas por outro lado estou decepcionando na parte de condicionamento. Estava precisando de um estímulo diferente para retomar minhas andanças e corridas matinais no parque.

Pois não é que vendo o meu Instagram hoje cedo me deparei com um desafio super legal da Mamãe Fitness? O objetivo é correr ou andar 100 km nos próximos 22 dias. As três pessoas que completarem primeiro a tarefa ganham mimos da blogueira que é um sucesso, com mais de 20 mil seguidores.

Mas como isso vai ser verificado? Fácil: por meio do aplicativo de celular Nike+ Running.

Para participar é preciso seguir a blogueira no Instagram, seguir também a marca que vai patrocinar os presentinhos para os ganhadores e adicionar o perfil dela (Simara SMS) no aplicativo e sebo nas canelas! :)

:::::::::

Leia também:

 

 

 

Caminhar é super alimento do mundo fitness, diz estudo

2 Comments

Talvez caminhar não esteja tão na moda quanto o CrossFit, não seja tão sexy quanto corridas de aventura e não eleve tanto o ego quanto um Ironman, mas para os experts em fitness – que enfatizam o movimento diário e uma vida ativa como sendo mais importantes do que treinos intensos e atletas de fim de semana – a caminhada é uma super star.

Para a cientista Katy Bowman, que escreveu o livro “Move your DNA: Restore your health through natural movement” (Mova o seu DNA: restabeleça sua saúde através do movimento natural, em tradução livre, sem edição em Português), andar é um imperativo biológico como se alimentar. Ela sugere que existem movimentos que nutrem, assim como existem nutrientes alimentares, que o corpo precisa. “Caminhar é um super alimento. É o movimento que define o ser humano“, diz Bowman, biomecânica baseada em Ventura, no estado americano da Califórnia. “É muito mais fácil se manter em movimento do que ir se exercitar.”

“Ativamente sedentários é uma nova categoria de pessoas que se exercitam por uma hora todos os dias mas passam o restante do seu dia sentados, sem se movimentar para quase nada”, diz ela. “Você não pode compensar 10 horas completamente parado com uma hora de exercícios”.

Em 2013, pesquisadores da University of Texas School of Public Health perguntaram a 218 maratonistas e meio-maratonistas como eram seu treinamento e seu tempo sentados. A média de treinamento era de 6,5 horas por semana e a média de tempo sentado era de 8 a 10,75 horas por dia, sugerindo que os corredores de distâncias menores eram ao mesmo tempo mais sedentários e ao mesmo tempo mais ativos.

Segundo Leslie Sansone, criador de um DVD que incentiva a adoção da caminhada como método para melhorar a qualidade de vida, muitas pessoas acreditam que passar horas gemendo na academia é a única maneira de ter um bom condicionamento físico. “Existe uma ideia de que se você não está, como no The Biggest Loser (reality show americano em que participantes bastante obesos disputam quem fica mais fit em alguns meses), vomitando e chorando, você não está ficando fit”.

Um outro estudo, agora com homens não obesos, publicado por cientistas da Indiana University no jornal Medicine & Science in Sports and Exercise, sugere que sessões de 5 minutos de caminhada realizados a cada hora que se vai ficar sentado (quando o tempo sentado é maior do que 3 horas) conseguem reverter os efeitos nocivos de ficar muito tempo parado para as artérias das pernas. Três quilômetros por hora é um bom começo, gradualmente aumentando até chegar a uma velocidade de aproximadamente 10 km/h, ou seja, uma caminhada bem acelerada.

Segundo a Dra. Carol Ewing Garber, presidente do American College of Sports Medicine (ACSM), a indicação de 10 mil passos por dia talvez seja muito alta para a maioria das pessoas. O mais correto seria colocar a média ideal em 7.500 passos. A recomendação da ACSM é de 150 minutos de atividade física por semana. Dra. Garber, que é professora de Ciências do Movimento da Columbia University, em Nova York, acrescenta que a pesquisa sugere que até mesmo uma curta e rápida sessão de exercícios provoca efeitos fisiológicos benéficos. Mas ela admite que a caminhada não faz tudo. É menos benéfico para os ossos do que correr, e para a força, é melhor levantar pesos. “Ainda assim,ela disse, “Se você tiver que escolher entre elas, deveria ficar com a caminhada.

[Matéria original em inglês]

::::::::

Leia também:

 

 

Testando a água alcalina ionizada: primeiras impressões

8 Comments

Selfie com meu filtro lindo porque ele merece :)

Selfie com meu filtro lindo porque ele merece :)

Estou me apaixonando perdidamente pelo meu filtro! Ele é lindo, inteligente, está me fazendo um bem enorme e o estoque de água alcalina é ilimitado! Tecnologia digna de causar ciúmes ao meu iPhone. :)

O interesse das pessoas também parece estar aumentando. O post onde explico sobre o desafio 365 de água alcalina ionizada está sendo super acessado, com vários comentários e perguntas, e eu acho isso muito positivo. Mais e mais gente se importando com a qualidade da água que se bebe!

Pra quem me perguntou sobre a possibilidade de alterar os níveis de PH da água: sim, é possível. São 5 níveis de alcalinidade: 7.5, 8.5, 9.0, 9.5 e 10. A recomendação da empresa é que se comece a tomar a água com PH em 7.5 e, de 15 em 15 dias, aumentar até chegar a 9.5. O nível de PH 10 (máximo que alcança o filtro) é indicado apenas para quem tem problemas digestivos ou intestinais mais sérios.

Mas atenção: aumentar muito rápido a ingestão de água extremamente alcalina pode ocasionar reações alérgicas porque o organismo começa a expulsar toxinas e isso pode aflorar de diversas maneiras: diarreias, pequenas lesões na pele, coceiras. Principalmente em quem está com o corpo mais ácido, ou seja, debilitado internamente. Por isso é preciso entender que não é um problema da água alcalina, mas que ela está literalmente limpando o organismo de dentro pra fora e essa “sujeira” precisa sair de alguma maneira.

O filtro ainda permite que se inverta o PH da água para usar água ácida em dois níveis: 3,5 (principalmente para limpar/higienizar frutas, verduras e legumes, eliminar a gordura excessiva de carnes e fazer limpeza) e 5,5 (para tratar a pele e os cabelos). Há ainda a possibilidade de fazer com que a água fique neutra ou purificada: ideal para a ingestão de medicamentos manipulados ou que se toma por receita médica. Também estou testando essas funcionalidades e volto pra contar melhor pra vocês.

Ainda estou nas primeiras semanas de teste mas queria contar as duas coisas interessantes que observei até agora em mim.

  • Senti que meu apetite diminuiu. Minha fome ficou mais controlada (tudo que ela, definitivamente, não é). Sempre tento tomar água nos intervalos das refeições e percebi que, de alguma maneira, meu corpo sentiu menos fome nas últimas semanas. Sabe aquela “vontade” que quem é guloso sente quase o dia todo? Sumiu. Ponto para o meu processo de emagrecimento!;
  • Comecei a ir mais no banheiro e as fezes se modificaram muito (e se você não presta a devida atenção ao seu cocô você está fazendo muito errado). Por meio da observação das fezes se pode fazer diversos diagnósticos importantes sobre como anda a nossa saúde, sobre o equilíbrio do nosso organismo. Quer entender um pouco mais sobre isso? Assista a esse vídeo. Algumas pessoas podem pensar “mas você pode ter mudado alguma outra coisa” e realmente poderia ter sido alguma outra mudança, mas na semana passada precisei acompanhar uma pessoa internada e fiquei alguns dias sem conseguir tomar minha água. Resultado? Fiquei totalmente entupida de novo. E quando voltei à minha rotina da água alcalina ionizada tudo voltou a funcionar como mágica. Mas não é mágica, é água de qualidade nutrindo o corpo.

Sobre os benefícios do PH acima de 7

Escala de PHMuita gente ainda tem dúvidas sobre os benefícios que a água com PH acima de 7 oferece para o corpo. Estudos observaram que em locais onde a água é naturalmente mais alcalina a expectativa de vida é mais alta. Por cuidar da saúde de forma generalizada, a água alcalina equilibra o corpo, ajustando o funcionamento dos órgãos e sistemas vitais do organismo. A vida que se vive hoje acaba elevando a nossa acidez: dormimos pouco, comemos dietas não balanceadas, abusamos de bebidas alcoólicas, café, refrigerantes e ainda nos estressamos com muito mais frequência do que nossos avós. Tudo isso faz com que os radicais livres façam a festa e acabamos adoecendo com mais facilidade e envelhecendo antes do tempo.

Se a água além de alcalina for ionizada, melhor. Isso aumenta seu poder antioxidante e ainda ajuda a tratar a gastrite ácida, causada principalmente pelo refluxo (quando o conteúdo do estômago – alimento ou líquido – vaza em direção contrária ao estômago para o esôfago – o tubo da boca ao estômago. Essa ação pode irritar o esôfago, causando azia e outros sintomas).

::::::::

Você também pode se interessar:

A poderosa chia

Leave a comment

Pequenas e sem muita graça, as sementes de chia são muito mais do que aliadas nas dietas de emagrecimento e modinha fitness. Não é à toa que ela é considerada um super alimento há séculos e que sua descoberta pelos entusiastas da alimentação saudável foi um verdadeiro boom aqui no Brasil: segundo especialistas, em uma colher de sopa do grão há três vezes mais ferro do que no espinafre, cinco vezes o cálcio existente no leite, o dobro de potássio da banana, duas vezes mais proteína que qualquer outro grão ou semente e três vezes a quantidade de antioxidantes de mirtilos (blueberries).

Originária do México, quando é umedecida ou colocada em contato com um alimento que possui água, absorve o líquido e incha criando uma membrana gelatinosa à sua volta que faz com que o alimento seja digerido mais lentamente. Isso baixa o índice glicêmico da refeição e evita picos de glicose no sangue – um dos principais motivos para o desenvolvimento da síndrome metabólica (que envolve o aparecimento precoce de doenças cardiovasculares ou diabetes tipo 2). Um estudo publicado no British Journal of Nutrition concluiu que incluir o grão à dieta melhora a resistência à insulina, fundamental para o controle do diabetes.

Com ação anti inflamatória (por conta de suas altas taxas de ácidos graxos e ômega 3) e antioxidante, ajuda a retardar o envelhecimento, combatendo a formação de radicais livres. A alta taxa de ácidos graxos poli-insaturados, que formam as células nervosas, garantem uma memória mais afinada, reduzem a ansiedade e a depressão, melhoram o sono e o humor.

Eu, que estou tentando eliminar a proteína animal da dieta, ganhei mais qualidade nas minhas refeições porque a chia é rica em aminoácidos essenciais, sendo uma ótima fonte de proteína vegetal e complemento ideal para vegetarianos e veganos. \o/

Bonita de ver, gostosa de comer. E, sim, ela auxilia no processo de emagrecimento porque sua alta taxa de fibras solúveis formam uma gelatina no estômago e fazem com que você se sinta cheio mais rápido. Ou seja, você come menos, perde os quilinhos a mais ou mantém seu peso com maior facilidade. As mesmas fibras dão uma ajuda preciosa na hora de ir ao banheiro, combatendo a prisão de ventre.

Você pode acrescentar chia nas sopas, saladas verdes ou de frutas, nas omeletes, sucos, iogurte e onde mais a sua imaginação inventar. Aqui no blog já ensinei a fazer uma geleia de uva de chia deliciosa, mas existem milhares de receitas por aí. Uma porção de 3 gramas – algo como uma colher de chá – não compromete o total de calorias ingeridas e acrescenta muita saúde ao seu prato.

::::::::

Leia também:

Receita: barra de cereais natural caseira


Eu sei. Tem um monte de barras de cereal pra comprar prontinhas no mercado. Mas a verdade é que, por mais naturais que elas possam ser, nunca serão tão saudáveis quanto aquelas em que você coloca ingredientes escolhidos a dedo, orgânicos, frescos, sem aditivos como corantes, aromatizantes, espessantes etc. Ou seja, nunca serão aquelas que fazemos nós mesmos, em nossas queridas e familiares cozinhas.

Procurei por várias receitas e a que mais gostei foi essa, originalmente publicada no blog Barra de Cereal. Você pode variar, combinar novos sabores, fazer experiências criativas. Existem tantas possibilidades!

Anote os ingredientes:

  • 1 ½ xícara de chá (135g) de grãos de aveia prensados ou flocos
  • ½ xícara de chá (70g) de amêndoas
  • ½ xícara de chá de sementes de chia
  • ½ xícara de chá de mix de sementes de girassol, sementes de abóbora e gergelim
  • ½ xícara de chá de ameixas secas (+ ou – 11)
  • ½ xícara de chá de uvas passas pretas
  • 5 colheres de sopa de melaço ou mel
  • Canela a gosto (como eu adoro, coloquei um tanto)

Pique as ameixas em pedaços bem pequenos. O ideal é que elas estejam bem moles, quase desmanchando. Se estiverem muito secas, hidrate por cerca de 10 minutos mergulhando-as em um pote de água. Se tiver processador de alimentos, bata até obter uma pasta. Eu usei o meu mixer e acabou tendo um efeito parecido. Junte o mel ou melaço. Eu fiz o meu melaço com açúcar demerara (feito da cana de açúcar e não refinado) derretido em banho-maria.

Em outro pote, pique bem as amêndoas, acrescente as sementes, a aveia, as uvas passas e a canela. Misture bem. Junte a massa de melaço e ameixas. Misture de novo. Coloque papel vegetal (ou papel manteiga) em uma forma retangular de cerca de 10 cm x 20 cm. Distribua a pasta, cobrindo o fundo da forma. Para alisar e deixar uma camada de altura mais uniforme, prense com as costas de uma colher.

Leve ao forno por 20/25 minutos (ou até que a superfície fique dourada) em temperatura de 160ºC. Dê uma olhada de vez em quando porque cada forno é um forno. Retire a forma e deixe esfriar por alguns minutos. Se você cortar as barras antes que estejam frias, elas vão desmanchar. Por isso, paciência.

Depois de prontas, guarde em um recipiente fechado na geladeira por até uma semana. A receita rende de 4 a 6 barrinhas. Cuidado pra não comer tudo de uma vez porque elas são saudáveis mas calóricas, ok?

Fiz também uma outra versão sem tantas sementes usando aveia em flocos, bananas – duas secas picadas, duas maduras amassadas, uva passa e chia. Ficou ótima.

Animou fazer a sua versão? Depois vem contar como ficou! :)

::::::::

Leia também:

 

Desafio 365 dias: água alcalina ionizada

12 Comments

Desde que comecei a mudar minha dieta alimentar e meus hábitos para melhorar minha qualidade de vida, uma das principais coisas em que coloquei uma atenção maior foi na água que tomo.

Um dos posts mais acessados do blog é exatamente o que ensina alguns truques para alcalinizar a água caso você não possua um aparelho que faça isso para você. Usei muito limão e bicarbonato para alcalinizar o meu corpo mas, confesso, minha vontade era testar um desses super filtros importados que transformam a água em um verdadeiro agente de saúde integral.

Filtro Purion BMT 501T: modelo que vai ser alvo do teste

Filtro Purion BMT 501T: modelo que vai fazer parte do teste

Agora isso vai acontecer. Fui desafiada pela marca de filtros Purion a testar o aparelho que além de alcalinizar, ioniza a água, e vou contar pra vocês aqui no blog tudo o que acontecer comigo durante o Desafio 365 dias de água alcalina ionizada. A ideia é consumir a mesma quantidade que costumo tomar todos os dias (cerca de 1,5 a 2 litros) e usar a água para preparar a comida, além de testar outras funções do filtro, que também fornece água ácida para higienizar frutas/verduras/legumes, por exemplo.

O filtro é certificado pelo INMETRO e os laudos (que eu vi antes de aceitar fazer o teste) comprovam a filtragem de 99,28% do cloro (que é adicionado nas estações de tratamento de água para conter epidemias de bactérias como E. Coli) e 99,60% das partículas suspensas (leia-se sujeira) que vem da água que recebemos pelo encanamento. Ou seja, além de alcalinizar e ionizar a água, ele ainda filtra melhor que muitos outros aparelhos disponíveis no mercado.

A verdade é que a oferta abundante de água no Brasil – pelo menos por enquanto, pois parece que as coisas estão mudando – faz com que as pessoas prestem pouca atenção à qualidade da água que bebem. Em países orientais, como Japão e Coréia (de onde vem o filtro Purion), o sistema que alcaliniza/ioniza a água é bastante utilizado não somente nas residências, mas também pelo sistema de saúde local que considera esse tipo de água como medicinal – com benefícios de uso na prevenção e tratamento de doenças já confirmado.

Vou contando pra vocês conforme for usando e verificando os resultados. Os posts serão publicados sempre às quartas-feiras, com um resumo sobre minhas descobertas, impressões e tudo o que aconteceu na semana anterior.

Vamos lá! :)

::::::::

Leia também:

Corrida de rua: Track&Field Run Series Shopping Cidade Jardim

Leave a comment

É uma sensação diferente participar de uma prova que nos faz correr em lugares onde normalmente só passamos de carro ou transporte público. Até um pouco emocionante, eu diria. Isso foi o que senti ao participar da Track&Field Run Series Shopping Cidade Jardim no domingo 17 de agosto, muito bem organizada pela LatinSports (que é responsável por todo o circuito da marca e também pelo IronMan Brasil). A retirada do kit aconteceu nos três dias anteriores ao evento na loja da Track&Field do mesmo shopping. Tudo muito tranquilo.

Fui acompanhada de um casal de amigos – Andréa, colega de colégio, e Marcel, o marido dela – o que me motivou a participar e, principalmente, a levantar da cama às 5h30 da manhã de um dia frio para chegar no local do evento com tempo para estacionar, retirar/ajustar o chip no tênis e estar à postos na largada no horário de início: 7h.

O dia estava nublado, mas não choveu durante a prova. Talvez não fosse o clima ideal para apreciar a paisagem da imponente ponte Octávio Frias de Oliveira ou ponte estaiada, conhecida pela arquitetura suspensa suportada por grandes cabos e grande estrela do percurso, mas certamente a temperatura amena era perfeita para o esforço que todos faríamos quando fosse dada a largada.

E foi duro. Eu, que já estava com meus treinos defasados por conta de férias que se estenderam além da conta, sofri muito nas subidas da ponte – que não parecem, mas são bastante íngremes quando se está a pé. Em alguns curtos momentos precisei caminhar porque minhas coxas simplesmente travavam com o esforço. Isso fez com que meu tempo para os 5K subisse bastante: 38’28” (na prova do Circuito Vênus em junho meu tempo foi de 35’05”).

O resultado me decepcionou, mas sei que a culpa por não ter ido melhor foi totalmente minha. Pouco treino, pouca experiência com subidas. Sinceramente, sabendo da minha falta de preparação, fiquei feliz por terminar a prova.

A vantagem de circuitos como os da TFRS é que é possível fazer a prova novamente nos anos seguintes e ter um comparativo efetivo do seu desempenho. A ideia agora é treinar bastante para, no ano que vem se eu puder, correr novamente a mesma etapa e verificar se consegui melhorar.

:)

 

 

Leia também:

10 benefícios do zinco que você deveria conhecer

4 Comments

Ingerir a quantidade correta de zinco diariamente pode fazer uma grande diferença para sua saúde. Muita gente ouviu falar desse mineral por conta do seu poder de melhorar todo o sistema imunológico do organismo, mas os benefícios vão muito além disso. Pesquisadores já escreveram que “o zinco é tão crítico para a saúde humana que até mesmo uma pequena deficiência desse elemento pode ser um desastre”.

O zinco é tão importante porque faz parte de todos os tecidos do nosso corpo e está diretamente envolvido na divisão celular. É um poderoso antioxidante, ajudando a prevenir o câncer, mas também faz parte do funcionamento correto das funções endócrinas e da manutenção do nível ideal dos nossos hormônios.

A deficiência de zinco pode interferir na fertilidade de mulheres e homens e ser uma das causas da diminuição da libido. Sua falta também aumenta os efeitos do estresse no corpo e acelera o envelhecimento. Níveis adequados de zinco são necessários para quem faz atividades físicas, ajudando a manter a energia e melhorar a performance. Ele ainda afeta a síntese de proteínas e é necessário para a produção das células sanguíneas.

Fique atento para alguns dos sintomas da deficiência de zinco no organismo: alterações no paladar que podem fazer com que se sinta uma vontade anormal de ingerir alimentos salgados ou doces. Falta de energia, fadiga crônica, baixa imunidade, falta de foco e má memória são outros indicadores. Como muitos deles podem ser associados a outros problemas de saúde, muitas vezes é difícil relacionar a falta de zinco sem fazer exames de sangue.

Porque suplementar o zinco

#1 Melhora a força e a performance física –  o mineral tem papel fundamental na produção dos hormônios anabólicos do corpo. Pesquisas mostram que uma oferta ampla de zinco permite que o organismo libere maior quantidade dos três mais importantes hormônios relacionados a performance e ao desenvolvimento de força: testosterona, hormônio do crescimento (GH) e IGF-1 (insulin-like growth factor-1). Sem eles o corpo perde massa muscular e diminui o desenvolvimento de força, mesmo com seus esforços aumentando na academia.

#2 Ajuda na saúde reprodutiva e fertilidade masculina – as células da próstata precisam de altas concentrações de zinco (dez vezes mais do que as outras células do corpo) para que seu funcionamento seja ideal, o que requer altos níveis de testosterona. Baixos níveis do mineral podem comprometer a produção do hormônio, causando infertilidade e aumentando o risco de desenvolver câncer de próstata. Alguns pesquisadores já consideram a suplementação de zinco como um promissor tratamento anticâncer, indicando acompanhamento e ingestão de doses adequadas como uma das melhores ações preventivas à doença. Eles sugerem, inclusive, que seu uso pode prevenir outros tipos de câncer relacionados como de ovários, mama e do colo do reto.

#3 Ajuda na saúde reprodutiva e fertilidade feminina – nas mulheres, o zinco está diretamente relacionado ao processo de crescimento dos óvulos. Quando há deficiência do mineral os óvulos não se desenvolvem como deveriam e a ovulação fica comprometida, causando infertilidade. Níveis adequados de zinco permitem que o uso do estrogênio e da progesterona seja mais eficiente, ajudando na saúde reprodutiva como um todo e assegurando que o estrogênio cumpra o seu papel.

#4 Previne o câncer e aumenta a imunidade – Ananda Prasad, reconhecida pesquisadora na área de saúde (especificamente zinco), diz que somente ao assegurar que se está com os níveis adequados de zinco no organismo já ajuda na cura da maioria de problemas graves de saúde, especialmente câncer e doenças relacionadas ao mal funcionamento do sistema imune. Assim como no câncer de próstata, a falta de zinco tem papel importante no desenvolvimento da maioria dos cânceres por ser essencial para uma proliferação celular saudável.

#5 Melhora a saúde cardiovascular – Por ser vital para a saúde das células cardiovasculares e do endotélio (fina camada de células das artérias que têm papel fundamental na circulação sanguínea), a deficiência de zinco pode levar ao aumento do colesterol e dos processos inflamatórios – uma combinação que potencializa o risco de doenças coronárias.

#6 Aumenta a sensibilidade à insulina e previne o diabetes – o zinco é necessário para a maioria das funções hormonais do organismo, incluindo a que se refere à insulina. Ele faz com que a insulina seja adequadamente armazenada pelo pâncreas e liberada quando a glicose entra na corrente sanguínea. Ele melhora a saúde celular, fazendo com que uma série de enzimas necessárias na formação de insulina se combinem com as células o que possibilita a entrada da glicose e seu uso como combustível – a tão falada sensibilidade à insulina. Se a célula é resistente à insulina a glicose não penetra e continua na corrente sanguínea, aumentando as taxas de açúcar no sangue e consequentemente leva ao ganho de peso. Quando a concentração de zinco fica muito baixa há uma redução da secreção de insulina e da sensibilidade ao hormônio o que, quando acontece repetidamente, leva ao aparecimento do diabetes. Um estudo recente em uma escola infantil espanhola descobriu uma relação direta entre taxas baixas de zinco, maior índice de gordura corporal e resistência à insulina. As crianças que foram classificadas como tendo baixas concentrações de zinco tinham menos sensibilidade à insulina e altas taxas de açúcar no sangue, enquanto que as que tinham o zinco balanceado no  organismo possuíam números adequados.

#7 Oferece efeitos super antioxidantes – antioxidantes têm o propósito de eliminar radicais livres que causam danos às células do corpo ao se unirem a elas e neutralizá-las. O zinco é particularmente bom em conter o efeito nocivo de taxas muito altas de ferro. Ele também afeta radicais livres que causam inflamação  e é especialmente efetivo na desintoxicação do cérebro.

#8 Desintoxica o cérebro dos metais pesados e previne o Alzheimer – a progressão da degeneração neural e do mal de Alzheimer é acelerada pela presença de metais pesados que vão se acumulando no cérebro. O zinco remove de maneira eficiente essas toxinas do organismo evitando que se acumulem no tecido e causem dano. Além de ajudar na remoção dessas toxinas, o zinco ainda ajuda a manter as células do cérebro saudáveis.

#9 Melhora as funções cerebrais e trata os distúrbios de hiperatividade – o zinco tem papel fundamental na função neurotransmissora e ajuda a manter a estrutura e a saúde cerebral. É necessário no metabolismo da melatonina, que regula a dopamina. O zinco também é parte da enzima que processa os ácidos graxos na membrana cerebral. Isso é muito importante para ajudar na saúde do cérebro, certificando que seja sempre bem nutrida. Um estudo com ratos mostrou que ao ingerir um suplemento de zinco durante o período de gestação e lactação os recém-nascidos tinham melhor memória espacial e desenvolvimento cognitivo. Estudos também mostram que crianças com distúrbio de hiperatividade tendem a ter um nível de zinco mais baixo que o de crianças saudáveis.

#10 Eleva o bom humor e evita a depressão – a exata relação entre a deficiência de zinco e a depressão ainda é desconhecida, mas certamente está diretamente ligada ao papel do mineral na função neurotransmissora e na produção dos hormônios. A produção de dopamina, que é parcialmente regulada pelos níveis de zinco, é uma reação química que dá um gás na energia, no humor e no aprendizado orientado por recompensa. A baixa quantidade de hormônios como insulina e testosterona pode levar a problemas de saúde que aumentam os estados de depressão e baixa energia. Um novo estudo do Journal of Affective Disorders mostrou que a deficiência de zinco pode afetar mais as mulheres do que os homens nos casos de depressão. As mulheres do estudo que já usavam antidepressivos e tinham baixos índices de zinco tinham um risco cinco vezes maior de apresentar quadros de depressão do que as que não possuiam níveis baixos do mineral. Nas mulheres o estrogênio está envolvido na produção de serotonina – neurotransmissor que faz com que as pessoas se sintam bem – e a suplementação de zinco pode aumentar a densidade dos receptores de serotonina no cérebro.

Como testar o nível de zinco no seu corpo?

Antes de sair correndo para comprar suplementos de zinco, saiba que existe um limite diário para ingestão do mineral e que ingerir altas doses pode levar a quadros de toxidade que diminuem a imunidade e podem levar a infertilidade, assim como os baixos níveis de zinco. Os especialistas sugerem que se faça um exame de sangue pedido por um médico de sua confiança para depois suplementar o mineral. Uma vez que se tenha feito isso, os níveis de zinco devem subir e o exame deve ser refeito depois de seis meses para verificar se as quantidades ingeridas estão sendo as ideais.

Uma maneira mais simples de testar os níveis de zinco no corpo é um teste de paladar. Ele funciona porque paladar e olfato são dependentes de níveis adequados de zinco no organismo. Para fazer o teste coloque duas colheres de chá de zinco sulfato em pó em um copo de água e tome, segurando os goles na boca por alguns segundos antes de engolir. Se o gosto for somente de água você está com níveis de zinco bastante baixos. Se o gosto for levemente metálico, os níveis de zinco estão moderados. Se o gosto for muito ruim – fortemente metálico – os níveis do mineral provavelmente estão adequados. Esse teste, claro, é subjetivo e não é 100% válido, mas é uma boa maneira de começar.

[matéria original em inglês]

::::::::

Leia também:

 

Corrida de rua: Circuito Vênus SP 2014

2 Comments

Apesar da previsão de sol, o domingo 1 de junho amanheceu nublado e com chuviscos. E frio, bem frio. Em plena recuperação de uma gripe, quando o alarme tocou 5h da madrugada precisei respirar fundo e pular da cama antes de deixar a vontade de ficar quentinha embaixo dos cobertores me dominar. Quem corre antes do sol nascer sabe do que estou falando, quem não corre consegue imaginar.

Era dia da edição 2014 do Circuito Vênus SP, patrocinada pela Gilette (que espertamente se aproveitou da coincidência de nomes com sua marca feminina de lâminas depilatórias para atingir seu público alvo). Eu estava um pouco nervosa, treinei em uma intensidade não muito alta nesse tempo que tive entre corridas. Minha última participação em provas de rua foi há cerca de dois meses: na W Run – no mesmo local, também muito bem organizada pela Iguana Sports. Naquele dia, corri a distância de 4K. No domingo, escolhi os 5K.

Cheguei ao Jóquei pouco antes das 7h. Como o horário oficial de largada era às 7h30, já fui para o local delimitado e fiz um aquecimento com movimentos funcionais leves. Estava garoando forte e a sensação térmica estava abaixo dos 15 ºC. Logo um grande mar de mulheres de todas as idades invadiu a avenida e, ao soar a sirene, lá fomos nós – cada uma atrás do seu objetivo pessoal.

Minhas dúvidas, de novo, eram: 1) se conseguiria ir até o final; 2) se completaria a prova sem caminhar. Sim, consegui vencer esses dois desafios e me senti extremamente feliz. Cruzei a linha de chegada muito cansada, com tempo líquido de 35’05” e pace médio de 7’01’ por quilômetro – fui a corredora 671 na classificação geral, 168 na categoria (de 40 a 49 anos) que tinha 580 participantes.

Achei um resultado digno para o meu nível iniciante de treino. A prova é uma das maiores (se não for a maior) organizadas exclusivamente para o público feminino no Brasil e deve reunir em torno de seis mil participantes. Claro que sempre é possível melhorar, no meu caso, ainda há muito a ser feito e acredito que o processo de emagrecimento ajude na medida em que, ao ficar cada vez mais leve, o esforço para correr diminui e resistência/velocidade aumentam.

Agora as principais metas passam a ser melhorar o tempo nos 5K e, depois disso, ir aumentando a distância para chegar aos 10K sem colocar o coração pra fora no final do percurso. Para isso continuarei confiando no cross training, que nada mais é do que praticar a corrida intercalada com outras modalidades como os movimentos funcionais, a natação e a musculação.

No final, adoro participar desses eventos especiais. É sempre divertido ver e estar no meio de um monte de gente que emana a mesma boa energia que você. A corrida tem esse poder e o mundo de quem pratica algum esporte com regularidade é um mundo mais azul, mais claro, mais cheio de vida. Vem também, vem. :)

::::::::

Leia também:

Sem pressa, mas sem repouso

4 Comments

Pouco menos de um ano e meio atrás eu comecei a delinear o Segredos de Liquidificador. Criei o blog, mas comecei realmente a escrever periodicamente nele a partir de outubro de 2013 – mesma época em que percebi que levar a sério algo que parecia ser bobeira poderia me ajudar muito a alcançar os objetivos que havia traçado para minha mudança de estilo de vida.

Pode parecer que não, mas atualizar um blog (que não é sua principal fonte de renda) é uma tarefa que exige organização, vontade e disponibilidade. Nem sempre é possível manter tudo funcionando como seria ideal. Também acredito que a curadoria de conteúdo é muito importante. Sempre trabalhei com isso e coloco uma atenção especial em oferecer aqui no blog informações que realmente acrescentem algo à vida das pessoas que acompanham os posts. Não tenho nada contra, mas prefiro reduzir ao mínimo postagens com jeito de diário pessoal.

Confesso que nas últimas semanas, por vários motivos, comecei a pesar a utilidade do blog. Mas olhando com calma os comentários nas publicações e os acessos, a felicidade de saber que estou ajudando tantas pessoas a melhorar, nem que seja apenas um pouco, sua qualidade de vida, me fez respirar fundo e tentar segurar mais um pouco.

Em outubro devo colocar aqui as esperadas fotos do meu processo de emagrecimento: o meu antes e depois (provavelmente durante, pois pretendo continuar melhorando sem data de vencimento para isso). Sim, os resultados positivos existem e espero que até lá melhorem ainda mais e outros tantos posts úteis sejam publicados.

A torcida de vocês tem sido muito importante. Obrigada.

Sempre irão existir épocas mais cinzas ou escuras. Mas isso não quer dizer que a luz não continua lá, não é mesmo? :)

© monica march

Virtuagym: app controla treinos e alimentação

1 Comment

Sou um tanto curiosa no que diz respeito a aplicativos para web ou celular que possam dar uma ajuda na hora de controlar as atividades que nos propomos para melhorar a qualidade de vida. Já testei alguns bem legais como o Runkeeper (que monitora treinos), o C25K (que ajuda a completar os primeiros 5K correndo) e o Daily Water (para lembrar de beber água).

Hoje eu queria dividir com vocês o que achei do VirtuaGym, um aplicativo para web que controla treinos aeróbicos e de força, além de monitorar (na versão paga) o seu plano alimentar. Duas coisas animam os participantes a seguir atrás de desafios: o ranking que mostra os 100 top usuários por mês e desde que o aplicativo foi criado em 2012; e um painel de badges, dadas aos participantes conforme atingem objetivos (parecido com o Foursquare ou o QuizUp).

Criado por desenvolvedores holandeses, a empresa é dirigida por gente muito jovem, quase todos baseados em Amsterdam. O inglês foi a língua oficial escolhida e por isso ainda são poucos os brasileiros cadastrados, além disso, ao contrário do restante do mundo, os brasileiros não costumam dar muito  pagar para que ter a versão mais completa (que eu tenho e é bem mais legal). Os pagantes, além de inserir sua dieta e cruzar esses dados com os de treinos (para consumir calorias e nutrientes de maneira mais balanceada segundo o que se escolheu), podem montar seus treinos e ter os exercícios exibidos no celular por meio do aplicativo disponível para iOS e Android.

É possível fazer o FitTest para mensurar sua condição física quando se inicia o uso e, a qualquer momento, para ter resultados comparativos. Esse mesmo teste determina sua idade metabólica, ou seja, quantos anos você tem baseados no seu preparo físico. O aplicativo também acompanha peso e medidas corporais, que ficam arquivados para consultas posteriores.

 

This slideshow requires JavaScript.

Na sua página você ainda pode publicar posts, como em um blog, que é acompanhado por quem visita seu perfil. Algumas das informações podem ter a privacidade modificada, mas o controle geral só existe para quem escolhe a versão paga, chamada de PRO.

Confesso que no começo achei que iria achar tudo um pouco chato, mas me envolvi com os desafios e estou completamente viciada. O efeito apareceu nos meus resultados, que foram melhorando com o passar dos meses.

Se cadastrar no VirtuaGym é bem fácil e rápido. A versão iOS está disponível no iTunes.

Alguém conhece ou já usa o aplicativo?

::::::::

Leia também: